COMÉDIA “MULHERES ÁCIDAS” TEATRO DA COMUNA 11 A 15 NOVEMBRO

Written by on 10/11/2020

APRESENTAÇÕES
qua: 21h00; qui: 21h00; sex: 21h00;
sáb: 21h00; dom: 16h30
Teatro da Comuna, Lisboa
Sala “Novas Tendências”

Uma produção:

CASULO – Núcleo de Artes Performativas do Grémio Dramático Povoense
Produção Executiva: CASULO – Núcleo de Artes Performativas do Grémio Dramático Povoense
Classificação etária: M/14
Duração: 80 Minutos

O humor ácido é, ao mesmo tempo, perspicaz e irónico, cortante e sarcástico. Ele arranca gargalhadas sem deixar de contar verdades profundas. Com estreia a 11 de novembro, este humor ganha a sua melhor forma na comédia “Mulheres Ácidas”, que chega ao Teatro da Comuna, em Lisboa, para um espetáculo sagaz, em que as protagonistas femininas contam histórias deliciosamente ácidas e reais.

Marlene Barreto e Sandra Celas são as atrizes que interpretam no palco, não apenas duas, mas sete mulheres ácidas. Numa narrativa solta e despretensiosa, elas contam histórias passando por personagens das mais diferentes idades e épocas, intercalando entre Isadora, Rebeca, Marta, Mercedes, Otacília, Sofia e Ana. Histórias que, à primeira vista, parecem aleatórias, mas a pergunta impõe-se: será que são?

Encenado pela brasileira Patrícia Soso e com apoio, no trabalho físico, do coreógrafo Daniel Gorjão, o espetáculo ganha forma na destreza e na transição frenética de personagens, conquistando o público pelo riso e carisma. Um espetáculo que reflete o verdadeiro desdobramento feminino.

Escrita por Cristiane Wersom, argumentista brasileira da Rede Globo, a peça esteve originalmente em cartaz em São Paulo e Rio de Janeiro, onde foi um sucesso da crítica e do público em 2017 e 2018. Na altura, a peça foi encenada pela dupla Cristiane Wersom e Marianna Armellini, que criaram o canal homónimo do Youtube, sendo também fundadoras d’ As Olívias, grupo de comédia com apresentações no teatro, websérie e televisão.

Agora, “Mulheres Ácidas” cruza o oceano para a sua primeira edição internacional, com adaptação de Sarah Lemonnier, que aproximou as tiradas brasileiras ao humor ácido lusitano. Num momento-chave da discussão do papel da mulher no cenário internacional das artes, a peça aterra em solo português para dar ainda mais visibilidade a questões relacionadas com os já ultrapassados padrões impostos pela sociedade à mulher e reforçar questionamentos que se vêm repercutindo nos cenários da política, sociedade e cultura portuguesas.

FICHA ARTÍSTICA

Encenação: Patrícia Soso
Elenco: Marlene Barreto e Sandra Celas
Texto: Cristiane Werson 
Adaptação: Sarah Lemonnier 
Produção: Jorge Feliciano
Corpo e Movimento: Daniel Gorjão
Criação Musical: Vítor Rua
Cenografia e Figurinos: Rute Osório de Castro
Desenho de Luz: Daniel Gonçalves
Design e Arte Gráfica: Claúdia Moreira
Fotografia: Bruno Simão
Make Up e Cabelos: Danila Hatzakis
Vídeo: Mescla Criativa
Produção Executiva: CASULO – Núcleo de Artes Performativas do Grémio Dramático Povoense

Classificação etária: M/14
Duração: 80 Minutos
Bilhetes: 10 Euros 

PROMOTOR

GRÉMIO DRAMÁTICO POVOENSE


Current track

Title

Artist