Current track

Title

Artist

Current show

NTR BY MORNING

08:30 09:10

Background

“SEM FLORES NEM COROAS” DE ORLANDO COSTA SÃO LUIS TEATRO MUNICIPAL

Written by on 09/01/2020

ENCENAÇÃO FERNANDA LAPA

10 A 19 JANEIRO

A Escola de Mulheres apresenta em ESTREIA
SEM FLORES NEM COROAS

Enquanto as tropas da União Indiana, em 1961, se preparam para invadir a chamada “Índia Portuguesa”, uma família brâmane e católica de Goa confronta-se com os seus fantasmas e medos. Orlando da Costa cria um microclima dramático, onde as personagens crescem para atingir a dimensão extrema das suas forças, fazendo-o elevar à atmosfera da universalidade. Atmosfera quase irrespirável por via dos confrontos e debates das personagens, em que o amor, o ódio, os compromissos, a coragem e as fraquezas explodem face ao inevitável.
 A invasão de Goa, Damão e Diu que durou apenas 36 horas, nunca, antes ou depois desta obra, foi abordada nos palcos portugueses. Ela marca o início do fim do Império Português.
Escrita em 1967 e publicada em 1971, durante a vigência da “Comissão de Censura”, esta obra nunca foi representada. Foi traduzida em inglês e lançada na Índia em Janeiro de 2017, com a presença do filho do Autor, o Primeiro Ministro António Costa.
 
O Autor e a Peça – Poeta e dramaturgo injustamente esquecido, Orlando da Costa, filho de uma família Goesa, é autor de uma trilogia sobre Goa – O Signo da Ira (1961), O Último Olhar de Manú Miranda (2000) e este raro texto teatral sobre a Invasão da Índia em 1961 pela União Indiana. Foi o princípio do fim do Império Colonial Português. Consideramos um dever, não só pela amizade que unia Autor e Encenadora como pela importância do tema e a qualidade da escrita, apresentar ao público português esta obra inédita, património e memória da nossa Identidade Cultural e Política. 
 © Margarida DiasFICHA TÉCNICA E ARTÍSTICA
texto Orlando da Costa | dramaturgia e encenação Fernanda Lapa | espaço cénico e figurinos António Lagarto | assistência de encenação e movimento Marta Lapa | desenho de luz Paulo Santos | fotografia Margarida Dias | piano Nuno Vieira de Almeida – “Poemas em prosa” – Fernando Lopes-Graça | gravação piano José Fortes | coro infantil Carolina Amaral e Mónica Lapa Leão | mestra de guarda-roupa Aldina Jesus | assistência de espaço cénico e figurinos Jesús Manuel | direção de produção Ruy Malheiro | Coprodução Escola de Mulheres e São Luiz Teatro Municipal
 
 
interpretação João Grosso (ator gentilmente cedido pelo TNDM II), Margarida Marinho, Carolina Amaral, Pedro Russo, Elsa Galvão e Rita Paixão
 
coro Afonso Abreu, Carlota Crespo, Joana Silva, Juliana Campos, Martina Costa, Nelson Reis, Pedro Monteiro, Tiago Becker e Vítor de Almeida
 
 
Apoios: Câmara Municipal de Lisboa | Teatro Nacional D. Maria II | Fundação Oriente

Agradecimentos: Dr. António Costa |Dr. Ricardo Costa | Teatro Nacional de São Carlos | Teatro Nacional São João | Casa de Goa | Nuno Vieira de Almeida | Escola Superior de Música | Virgínia Brás Gomes | Heromina de Freitas Teixeira | Sebastião Lapa Leão
 
68ª produção Escola de Mulheres
Estreia e temporada Lisboa: 10 a 19 de janeiro 2020
Sala Luís Miguel Cintra – São Luiz Teatro Municipal
Classificação etária M/14© Margarida DiasSEM FLORES NEM COROAS 
Sala Luís Miguel Cintra
São Luiz Teatro Municipal
 
10 a 19 de Janeiro 2020
 
quarta, sexta e sábado, 21h00; quinta, 20h00; domingo, 17h30 



Acessibilidade
Sessão com Língua Gestual e Audiodescrição  19 Jan. 17h30

Conversa com os artistas após o espetáculo 19 janeiro, domingo
 

 

São Luiz Teatro Municipal

R. António Maria Cardoso, 38
1200-027 Lisboa