Current track

Title

Artist

Current show

 

Background

LANÇAMENTO “UM NEUROCIRURGIÃO EM CONSTRUÇÃO” DE JOÃO LOBO ANTUNES A 22 ABRIL.

Written by on 21/04/2019

O Conselho Regional do Sul da Ordem dos Médicos, em parceria com a Gradiva, convida para a sessão de lançamento do livro de memórias de João Lobo Antunes,“UM NEUROCIRURGIÃO EM CONSTRUÇÃO” .

O evento terá lugar no dia 22 de Abril de 2019, pelas 18h, no Auditório da Ordem dos Médicos, na Avenida Almirante Gago Coutinho, n.º 151, em Lisboa.

Contará com as intervenções de Guilherme Valente, Henrique Bicha Castelo,Margarida Lobo Antunes, Maria do Céu Machado, Miguel Guimarães e Paula Lobo Antunes.
Sessão do ciclo Livro com Debate uma parceria do Conselho Regional do Sul e da Gradiva.

ENTRADA LIVRE

«A aprendizagem do ofício, o cumprimento durante toda a vida dos hábitos de um bom aluno, terão contribuído para fazer de mim um razoável professor ou, melhor dito, um professor feliz.»

«Creio que muitos conhecem o ofício de neurocirurgião, quando mais não seja pelas séries televisivas que tanto o exaltam. […]. A neurocirurgia e a cirurgia cardíaca disputam palmo a palmo o prestígio e o reconhecimento mediático, e ambas têm uma aura milagreira.

No Neurological Institute de Nova Iorque onde me treinei, ouvi um dia dizer que a diferença entre Deus e o neurocirurgião é que Deus sabe que não é neurocirurgião. Acredita se, com exagerada benevolência, que os praticantes da minha especialidade são possuidores de um carisma especial, algo que parece intrínseco à sua natureza. Carisma significa dádiva dos deuses, e é verdade que este atributo é exigido por quem nos procura, como se possuíssemos uma bênção ou uma benesse adicional — “mãos de ouro”, “mãos benditas”, ouvi muitas vezes.»

«Na véspera da minha partida para Nova Iorque despedi-me de Lisboa que inesperadamente se iluminara de um sol radioso. No meu Fiat 600, deambulei pela Baixa pombalina, subi aos vértices do triângulo que domina a cidade: o Castelo, o Largo de São Pedro de Alcântara e o cimo do Parque Eduardo VII. Enchi-me de Lisboa, como ávida esponja, ou como um dromedário que bebe litros de água porque suspeita que a viagem será longa. A verdade é que nunca mais olhei Lisboa com um olhar tão profundo, e a apertei num abraço tão cerrado e amplo como nessa tarde.»