Current track
Title
Artist

Current show

QImusIQ

00:30 02:30

Background

“100 GRAVURAS DE DALÍ PARA A DIVINA COMÉDIA DE DANTE” INAUGURAÇÃO NO CENTRO PORTUGUÊS DE SERIGRAFIA A 16 MAIO 18.00H

Written by on 14/05/2018

O CPS – Centro Português de Serigrafia inaugura a exposição «100 Gravuras de Dalí para a Divina Comédia de Dante», que apresenta a EDIÇÃO PORTUGUESA, desconhecida do grande público, da singular obra.

A inauguração terá lugar na Galeria do CPS no CCB, dia 16 de Maio (quarta-feira), às 18:00, e estará patente até 17 de junho de 2018.

A Divina Comédia, a magnífica obra de Dante (1265-1321), revela-se hoje uma vez mais entre nós, através da singular criação de Salvador Dalí (1904-1989) na exposição que lhe é dedicada no espaço do CPS – Centro Português de Serigrafia no CCB que apresenta a edição portuguesa, desconhecida do grande público. A mostra inaugura a 16 de Maio pelas 18h e estará patente até 17 de Junho, com entrada livre.

A edição portuguesa de A Divina Comédia, numa tiragem de apenas 100 exemplares, foi publicada em 1974 pelas Edições Diprove de Lisboa e contém as 100 gravuras originais de  Dalí, impressas em Paris porJean Estrade entre 1959 e 1963. O texto, constituído por um terceto selecionado para cada gravura, foi traduzido pelo poeta surrealista Alexandre O’Neill e foi composto e impresso em Janeiro de 1974 em Lisboa.

Com esta obra Salvador Dalí inscreveu-se na genealogia dos grandes artistas que ilustraram A Divina Comédia, de Sandro Botticelli (1445-1510), a Miguel Ângelo (1475-1564), nos frescos da Capela Sistina, William Blake (1757-1827) ou Gustave Doré (1832-1883).

Inferno, Purgatório e Paraíso, na visão do genial pintor espanhol, inspiram-se na obra imortal de Dante, “a grande voz da 1ª Renascença, a mais alta figura poética entre Virgílio e Shakespeare”, segundo o professor Marques Braga, um dos seus tradutores em Portugal, antes da celebrada versão de Vasco Graça Moura. Este poema alegórico desenrolou-se miticamente em 1300, durante sete dias, de 7 a 14 de Abril. Escrito em tercetos, divide-se em três partes e em cem Cantos, no decurso dos quais Dante realiza uma viagem imaginária e iniciática, primeiro aos círculos infernais, acompanhado por Virgílio, até ao centro da terra onde se encontra Lúcifer. Regressando à superfície terrestre, sobe a montanha do purgatório, para, guiado pela sua amada Beatriz, ser admitido no paraíso, de onde, voando pelos nove céus, termina a maravilhosa viagem na contemplação divina.

Segundo Maria João Fernandes (A.I.C.A.): “O intemporal friso das desventuras e venturas humanas, dos pecados e das virtudes, na crueza e na poesia das suas imagens, desfila perante os nossos olhos na poesia de Dante, culminando na revelação da luz e do Amor “que move o Sol e as outras estrelas”. Cintila agora na realidade pulsional e onírica de Salvador Dali entre o rigor convulsivo do desenho e o esplendor das manchas que a aguarela dilui para transformar nas criaturas vivas da arte e do imaginário prodigioso do pintor.”

Em 2008, coincidindo com a inauguração do seu novo espaço no CCB, o Centro Português de Serigrafia apresentou em três espaços – correspondendo cada ao Inferno, Purgatório e Paraíso – um raro exemplar da Divina Comédia, com todas as gravuras assinadas por Dalí. Dez anos depois, dá a conhecer a edição portuguesa desta singular obra, considerada por muitos, o melhor conjunto de ilustrações de Dalí e a mais criativa e grandiosa ilustração da imortal obra de Dante.

(via: cps)